Impotência sexual e pacientes diabéticos: qual a relação?

O diabetes é uma doença crônica causada pela falta ou produção insuficiente da insulina, hormônio responsável pelo transporte da glicose no organismo, cuja função é proporcionar energia ao corpo. Quando não controlado, o diabetes pode trazer consequências negativas já conhecidas por muitos, como problemas de visão, rins, coração, nervos e membros inferiores, complicações respiratórias e desidratação.

O que poucas pessoas sabem é que a impotência sexual masculina também pode estar relacionada a problemas na produção de insulina no organismo. De acordo com a editora internacional de enciclopédias, livros e periódicos da área acadêmica, Wiley Online Library, a disfunção atinge mais de 50% dos pacientes diabéticos de maneira geral. Em pacientes que desenvolveram a diabetes tipo 2, o índice chega a 66,3%.

Mas porque a disfunção erétil pode ser uma consequência da diabetes?

Uma ereção satisfatória necessita que o pênis encha-se com certa quantidade de sangue. Em pacientes saudáveis, o sangue flui normalmente para o pênis durante o momento da ereção. No entanto, o diabetes dificulta esse processo, pois atinge quase todos os mecanismos necessários para uma ereção normal: o músculo liso trabecular, as vias nervosas e os vasos sanguíneos.

Em outras palavras, o que ocorre é o estreitamento das artérias, reduzindo o espaço para a circulação do sangue. Se os vasos sanguíneos não conseguem transportar a quantidade de sangue necessária ao pênis, a ereção fica prejudicada. Outro fator importante nesse quadro, é que a sensibilidade na região genital também é afetada pela grande quantidade de concentração de glicose no sangue, diminuindo a sensação de prazer e prejudicando o orgasmo.

O colesterol ruim (LDL), o aumento de outras gorduras no sangue e a aterosclerose, condição caracterizada pelo acúmulo de gordura nas paredes das artérias, também são consequências da diabetes. Elas podem entupir alguns vasos sanguíneos e aumentam o risco de o paciente desenvolver impotência sexual. Além disso, pacientes que sofrem com outras condições crônicas têm riscos ainda maiores de apresentar piora no quadro de disfunção erétil. Hipertensão arterial, obesidade, tabagismo e sedentarismo são alguns dos fatores de risco que podem agravar o quadro.

É preciso deixar claro que nem todos os pacientes diabéticos irão desenvolver a disfunção erétil. Adotar hábitos saudáveis com uma alimentação equilibrada e a prática regular de atividades físicas é fundamental para evitar esse quadro. Lembre-se também de usar corretamente os medicamentos prescritos pelo seu médico.

A impotência sexual provocada pela diabetes tem tratamento?

Sim! Com o tratamento adequado, essa situação pode ser revertida. Basta buscar orientação de um urologista de confiança. Existem algumas opções que podem proporcionar mais qualidade de vida ao paciente. As principais são:

  • Tratamento medicamentoso oral
    Consiste no uso de fármacos orais com potencial de aumentar o fluxo sanguineo para o pênis e, consequentemente, podem melhorar a capacidade de ereção do paciente.
  • Tratamento medicamentoso inetável
    Consiste no uso de fármacos vasodilatadores que melhoram o fluxo sanguíneo por mei ode injeções aplicadas diretamente no pênis.
  • Prótese peniana inflável e maleável
    Indicada para pacientes que não respondem a outros tipos de terapia, a prótese peniana consiste em um dispositivo implantado cirurgicamente no interior dos corpos eréteis.

Se você ficou com alguma dúvida, procure seu andrologista.

Categorias
Artigos mais recentes

AGENDE UMA CONSULTA

Abrir Chat
Precisa de ajuda?
Olá,
Podemos ajudar?